Mês: agosto 2015

“Sobreviver não é suficiente”

Em um mundo cuja população mundial foi dizimada por uma gripe, uma trupe de artistas viaja apresentando peças de Shakespeare. E por que eles fazem isso? Porque sobreviver não é suficiente. ❤ Dê o play e conheça minha história de amor com “Estação Onze”, romance da escritora canadense Emily St. John Mandel publicado recentemente pela Editora Intrínseca: Aparece neste vídeo: “Estação Onze” (“Station Eleven”) Autora: Emily St. John Mandel Editora: Intrínseca Páginas: 320 Anúncios

Dândi norte-americano em Madri

Viciado em antidepressivos, o poeta americano Adam Gordon aproveita sua estadia em Madri, financiada por uma bolsa de estudos para seu projeto de pesquisa que, por depender de sua vontade própria, não avança. Assim começa “Estação Atocha”, romance de estreia do também poeta e também americano Ben Lerner. Valendo-se de uma narrativa aparentemente horizontal, típica de um personagem dândi, o livro acerta em cheio ao brincar com alguns clichês do mundo artístico e abordar questões como a autenticidade das reações de um observador em relação a uma obra de arte. Ao contrário de todos ao seu redor, para Adam uma ida ao museu é um passeio sem emoção, sem catarse, ele não consegue ser tocado por uma obra de arte. A fim de não parecer estranho, de continuar “pertencendo ao grupo”, ele adota uma saída: Finge reações, um ator da vida real – e que ator talentoso ele se revela! “(…) com apreensão, me dei conta de que ela esperava me encontrar mexido, muito comovido e que era assim mesmo que eu tinha que me mostrar a ela (…). Virei-me …

Aqui vai uma carta de amor

Aviso aos leitores: Essa nem pode ser considerada uma resenha e sim uma carta de amor. Carpinejar, seu lindo! Me liga, tá? Não se engane se a orelha do livro “Para onde vai o amor?” te fizer pensar que é mais um autoajuda sobre relacionamentos. (Não que livros de autoajuda sejam ruins, mas é que existem tantos e tão parecidos que me fazem perder o interesse). O trabalho aqui é justamente enganar as pessoas que procuram esse tipo de estilo. Ele te ganha com essa intenção, mas te apresenta crônicas ótimas, ritmadas e intensas. E talvez para algumas pessoas tenha até servido de autoajuda, vai saber! A “Monalisa coração de pedra” acha que as frases das crônicas podem ser usadas em legenda para selfies, mas eu me senti muito inspirada depois de ler o livro. Quis sentar em um jardim e escrever longas cartas de amor… Tudo bem que a vontade logo passou, mas gostei de sentir isso.  Sou do grupo do Nelson Rodrigues: “Sem paixão não dá nem para chupar um picolé” e foi ótimo conhecer mais um …

Para onde foi meu coração de pedra?

“Para onde vai o amor?” é o novo livro do Carpinejar. Recém-publicado pela editora Bertrand Brasil (Grupo Editorial Record), o livro é um compilado de crônicas unidas por única temática: relacionamentos amorosos. Este foi o meu primeiro contato com o autor, e infelizmente não foi muito agradável… Clique aqui e leia o texto da Brenda Leal, que tem uma opinião completamente diferente da minha! Aparece neste vídeo: “Para onde vai o amor?” Autor: Fabrício Carpinejar Editora: Bertrand Brasil Páginas: 176 *Livro cedido em parceria pela editora.

E se a Alemanha tivesse ganhado a Segunda Guerra Mundial?

Partindo de uma premissa simples, “O Homem do Castelo Alto”, de Philip K. Dick, aborda muito mais que uma inversão de realidade, abrange-se para o próprio sentido da palavra – afinal, o que significa “realidade”, senão o conjunto de nossas próprias impressões? Este foi o meu primeiro contato com a obra do autor norte-americano cujos livros são mestres em inspirar obras cinematográficas, e devo dizer: Preciso ler todos os outros! “Nós realmente vemos astigmaticamente, no sentido fundamental da expressão: nosso espaço e nosso tempo são criações da nossa própria mente, e quando momentaneamente falham… é como uma perturbação aguda do ouvido médio.” O título deste texto já lhe deu a sinopse, mas vou desenvolvê-la aqui pra você. Nos Estados Unidos de uma realidade alternativa na qual os países do Eixo (Alemanha, Japão, etc) venceram os Aliados (EUA, Inglaterra, etc), vivem os personagens de “O Homem do Castelo Alto”: Um judeu recém-desempregado; uma mulher adepta de encontros casuais; um rico empresário dono de uma fábrica de plásticos (a grande matéria-prima do momento); seu rico cliente japonês; o dono de uma loja …

A besteira de achar HQs uma besteira

Fica você com Bukowski e eu com Stan Lee. Houve uma pequena versão do que eu sou hoje, no longínquo ano de 2002, que participou de uma cena digna de filme do Spielberg. Foi um daqueles momentos onde o jovem protagonista desajustado (podem reparar o padrão) entra em algum lugar que muda sua vida inteira. Para alguns é um sotão que guarda o mapa de um tesouro pirata, para outros uma estação de trem no meio do nada onde acontece um descarrilhamento imenso. Minha história aconteceu num quarto, mas nem por isso é menos grandiosa. Era uma vez um Bruno de 12 anos de idade que, num belo dia de Sol, resolveu invadir a até então Área 51 que era o quarto de seu primo. Se você acha que essa história vai ser sobre a descoberta da pornografia, que infância terrível deve ter sido a sua. Sério mesmo, o que tem de errado com você? EU TINHA DOZE ANOS. Pornografia a gente conhece bem antes. O fato é que embora o sentimento seja um pouco …

Como despertar o prazer da leitura (ou traumatizar uma criança)

Como despertar o prazer da leitura em alguém? Eu descobri uma tática infalível que, se não traumatizou meu primo de 11 anos, com certeza fez com que ele descobrisse que os livros podem ser muito legais! Aperte o play e descubra: Aparece neste vídeo: Título: “O Triste Fim do Pequeno Menino Ostra e Outras Histórias” Autor: Tim Burton Páginas: 124 Editora: Girafinha Sinopse: Com ilustrações que evocam a doçura e a tragédia da vida, o autor apresenta uma galeria de personagens infantis muito peculiares. Incompreendidos e desajustados, eles lutam para encontrar amor e aceitação em um mundo cruel. São desesperançados e infelizes heróis que remetem ao lado negro que existe em todos nós.

Como colocar ovelhas e verrugas xamãs na mesma frase

Apenas um post da série “Desafios Hilários de Escrita”. Este foi proposto pelo Tales Gubes, do Ninho de Escritores: DESAFIO Uma frase com 23 palavras, cada uma começando com uma letra do alfabeto ~na ordem alfabética~ (não vamos usar k, y ou w). Se não conseguir 23, vai até onde alcançar. Exemplo: “A bonita companheira do elefante…” Eis a minha frase: “A bomboniére chilena da esquina faz gostosos helicópteros indígenas, jujubas. Lá mesmo, nossa ovelha perdeu qualquer resquício servil. Tinha umas verrugas xamãs zunindo.” Precisava fazer sentido? É claro que sim. Mas quem nunca viu jujubas em formato de helicópteros indígenas e verrugas xamãs, não é mesmo?

Três irmãos em realismo fantástico

“Em água turva, as substâncias não se veem” “Os Malaquias”, da paulista Andréa del Fuego, é um livro poderoso. Não por acaso, ganhou o Prêmio Literário José Saramago. Publicada pela editora Língua Geral em uma edição que salta aos olhos, a obra tem magnetismo do começo ao fim. Sabe quando uma história mexe tanto contigo que te faltam palavras para falar sobre ela? Então: Para escrever este texto me foram necessários 3 meses de reflexão e duas releituras! Nico, Julia e Antônio, irmãos, perdem os pais (funcionários de uma fazenda) esturricados por um raio numa noite de tempestade. Pobres, as crianças são separadas em adoções um tanto duvidosas: Nico, por exemplo, vai morar com o dono da fazenda. Chega muito doente, com garganta inflamada e febre alta, e mesmo assim é forçado a trabalhar. Julia tem o mesmo destino, com a diferença de que é adotada por uma família árabe que mora na cidade. E Antônio, como ninguém se interessa por ele, permanece no orfanato sob os cuidados de duas freiras francesas. “Júlia habitava o quartinho dos fundos com a …

Como eu li 13 livros em 1 mês

Acabou a Maratona Literária de Inverno, mais conhecida como #MLI2015. E essa linda que eu mal conheço mas já considero pacas deixará saudades: Por causa dela, acabei lendo 13 livros em apenas um mês, o que significa que eu tripliquei a minha média de leitura! Dê o play no vídeo abaixo e descubra como isso aconteceu: A maratona foi criada pelo Victor, do Canal Geek Freak. E você, também participou? Quantos livros você leu? Inscreva-se no Canal Literasutra e tenha acesso a conteúdos exclusivos!