Livro, Resenhas
Comentários 22

Se Godot fosse a Primavera e não pudéssemos esperar sentados

Em sua brancura que machuca os olhos, em sua fofura que gela os ossos, o inverno é implacável. Para a família Bandini especialmente: O casal Svevo e Maria e os rebentos Arturo, Federico e August (em ordem de nascimento). Para eles o inverno é obstáculo. As roupas não são suficientes; o cimento congela e atrapalha o andamento da obra; não há treinos no campo de beisebol coberto de neve. O inverno é estação a ser suportada, relevada, sobrevivida. Portanto, “Espere a Primavera, Bandini”, e tudo poderá se acertar.

Primeiro romance do aclamado John Fante, o título foi publicado pela primeira vez em 1938. Aclamado pelo público e pela crítica, o livro acaba de ganhar uma nova edição pelas mãos da Editora José Olympio (que fez o mesmo com “Pergunte ao Pó”, publicado em 1939 e considerada sua obra-prima).

Embora em terceira pessoa, a narrativa tem preferência pelo ponto de vista de Arturo, alter ego do autor. O filho primogênito (e claramente o de personalidade mais complexa) divide o fio condutor da história com o pai, seu grande ídolo. E assim, com um retrato da pobreza mas sobretudo da inocência, John Fante apresenta e desenvolve personagens inesquecíveis.

“Seu nome era Arturo, mas ele o detestava e queria se chamar John. Seu sobrenome era Bandini, mas queria que fosse Jones. A mãe e o pai eram italianos, mas ele queria ser americano. O pai era pedreiro, mas ele queria ser um lançador dos Chicago Cubs. Morava em Rockling, Colorado, população: 10 mil, mas ele queria morar em Denver, a 50 quilômetros dali. Seu rosto era sardento, mas ele queria que fosse limpo. Frequentava uma escola católica, mas queria ir para a escola pública. Tinha uma namorada chamada Rosa, mas ela o detestava. Era coroinha, mas era um demônio e detestava coroinhas. Queria ser um bom menino, mas tinha medo de ser um bom menino porque receava que seus amigos o chamassem de bom menino. Era Arturo e adorava o pai, mas vivia no temor do dia em que cresceria e seria capaz de bater nele. Venerava o pai, mas achava que a mãe era fraca e tola.” (Pág. 26)

Há histórias que merecem ser lidas; autores cuja obra transcende datas e lugares, sendo capaz de nos atingir até mais profundamente do que gostaríamos. John Fante, com seu “Espere a Primavera, Bandini”, é um desses casos.

espere a primavera bandini john fante
“Espere a Primavera, Bandini”

(“Wait Until Spring, Bandini”)
Autor: John Fante
Tradutor: Roberto Muggiati
Editora: José Olympio
Páginas: 208

*Livro cedido em parceria com a editora.

Este post foi publicado em: Livro, Resenhas

por

Espécime da safra de 89. Recentemente descobriu que não consegue escolher uma coisa só, então alterna a vida profissional entre as funções de jornalista e fotógrafa. Criou o projeto fotográfico "Uma Pessoa Por Dia", onde consegue mesclar as duas coisas.

22 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s