Todos os posts em: Especiais

Guardiões da Galáxia 2: O que esperar das 5 cenas pós-creditos

Saiu mais cedo do filme? Teve que meter o pé pra não pagar mais caro no estacionamento? Ou ficou até o final e não entendeu quase nada? Seja bem-vindo! Nesse texto eu te explico cada uma das CINCO cenas pós-crédito de Guardiões da Galáxia Vol. 2. (Lembrando que se você sofrer de spoilerfobia é melhor clicar aqui e escolher outra coisa para ler). 1. Kraglin e a flecha de Yondu A primeira cena é uma extensão bacana do final imediato do filme. Com a morte de Yondu, a responsabilidade sobre a Flecha Yaka (uma das armas mais fortes das quais se tem notícia) fica nas mãos de Kraglin. O problema é que, apesar de agora ser o o comandante da nave Saqueadora, Kraglin continua sendo o desastroso de sempre. Então, na sagacidade do assovio maroto, a Flecha cadencia, cata cavaco e engata voo só para aterrissar logo depois…. no peito do Drax (logo nele?), que grita de dor. Kraglin dá o famoso golpe de joão-sem-braço e sai de perto, para evitar a fúria retaliadora sem metáforas de …

Um dia de FLUPP

“Tente apenas reproduzir os gestos dele. Você vai ouvir a história do senhor José Farias, que perdeu o filho vítima de bala perdida com 2 anos de idade há 20 anos atrás”. Me ajustam o Oculus no rosto e o fone sobre os ouvidos, e a experiência começa. Sentado no sofá de casa, olho para baixo e sou seu José. Minha pele é negra, visto uma camiseta com a foto do meu filho. Minha esposa, Penha, entra na sala e me entrega uma foto dele. Quando ergo as mãos, tateio a foto que ela me alcança, abaixo-a e a levanto, revisitando com o olhar os contornos de Maicon. Minha esposa narra toda a cena do dia em que Maicon morreu, e como o encontrei. Ela então me coloca seus tênis nas mãos, e tateio os cadarços e os vincos do solado, e posso apenas imaginar o tamanho de seu corpinho no meu colo. Nesse momento, eu, Adélia, sinto a experiência pesar, e me descolo do corpo de Seu José, num ímpeto de chorar. Porque Seu …

Autor de “V de Vingança” sabe que você usou a máscara nas manifestações. E ele acha o máximo!

“Se você é um artista e tem a oportunidade de dizer algo, diga algo que valha a pena ser dito” – David Lloyd. Os fãs cariocas de “V de Vingança” agora têm uma nova data para lembrar além do 5 de novembro. 9 de maio de 2016 foi o dia em que David Lloyd esteve no Rio de Janeiro, na Livraria Blooks, para um bate-papo regado a cerveja e alguns copos d’água. Coautor da icônica HQ ao lado de Alan Moore, Lloyd contou (dentre muitas outras coisas), que soube do uso da máscara de V durante as manifestações no Brasil e que ficou muito feliz com isso: “Eu achei o máximo, fiquei muito feliz! Isso significa que a obra conseguiu realizar o seu propósito. Quando criamos o V, eu não tinha noção de que ele seria o que é hoje, essa imagem tão forte. Havia somente um desejo, de que quando as pessoas vissem a cara do V elas reconhecessem que estava sendo dito algo importante. Não queríamos apenas mais uma história de aventura, queríamos usar o recurso dos quadrinhos para falar de algo …

3 livros interativos para qualquer pessoa

Se mamilos são polêmicos, os livros interativos não ficam para trás. Com seus espaços para colorir e lacunas para preencher, não é difícil encontrar quem os ame, mas eu não me surpreenderia se houvesse uma passeata de ódio com direito a bonecos infláveis gigantes contra a sua existência. Mas você sabe como é a vida, mesmo entre os assuntos mais polêmicos há aqueles indivíduos que cativam a todos. Então prepare-se para conhecer 3 livros interativos capazes de conquistar qualquer pessoa!

A besteira de achar HQs uma besteira

Fica você com Bukowski e eu com Stan Lee. Houve uma pequena versão do que eu sou hoje, no longínquo ano de 2002, que participou de uma cena digna de filme do Spielberg. Foi um daqueles momentos onde o jovem protagonista desajustado (podem reparar o padrão) entra em algum lugar que muda sua vida inteira. Para alguns é um sotão que guarda o mapa de um tesouro pirata, para outros uma estação de trem no meio do nada onde acontece um descarrilhamento imenso. Minha história aconteceu num quarto, mas nem por isso é menos grandiosa. Era uma vez um Bruno de 12 anos de idade que, num belo dia de Sol, resolveu invadir a até então Área 51 que era o quarto de seu primo. Se você acha que essa história vai ser sobre a descoberta da pornografia, que infância terrível deve ter sido a sua. Sério mesmo, o que tem de errado com você? EU TINHA DOZE ANOS. Pornografia a gente conhece bem antes. O fato é que embora o sentimento seja um pouco …

Vídeo conta como Charlie Brown e Snoopy se conheceram!

“Um garoto sem um cachorro é como um dia sem sol”, diz Charlie Brown para o seu melhor amigo humano, Lino. Quem nunca ouviu falar de “Peanuts”, os quadrinhos de Charles M. Schulz, que atualiza-se já. Publicada em jornais por 50 anos e traduzida para 40 idiomas, a obra chegou a ganhar o formato de série em desenho animado e seu primeiro longa-metragem está previsto para estrear em 2016. Foi em um dos episódios da série, aliás, que o público testemunhou o  primeiro encontro da dupla inseparável: “A Reunião de Família” foi ao ar pela primeira vez em 1991, e conta como Charlie Brown e Snoopy se conheceram: Ok, à primeira vista o encontro pode não parecer muito louvável, já que Charlie Brown comprou seu cachorro em vez de adotar. Mas a má impressão logo passa: Note como o vendedor aceita as poucas moedinhas de Charlie Brown, e como o garoto demonstra amar Snoopy incondicionalmente quando o amigo diz que ele é um “cachorro usado”. Sem falar da personalidade do Snoopy, que já fica evidente em seus …

Um reflexo para Charlie Brown

Só alguém inundado em emoção consegue unir inocência e realismo com profundidade na mesma arte. E não há ingrediente melhor para uma imersão sentimental do que a solidão, ou há? Esse foi o caso de Charles M. Schulz. Quando criança, era do tipo esquisitão, que afasta os outros: extremamente tímido, sem autoestima, cheio de espinhas e mirrado demais para praticar qualquer esporte. Sparky, como era conhecido, ia mal em todas as matérias, sofria com a opressão de seus professores e não conseguia falar quando estava perto de alguma garota. Um desastre completo, que colecionava frustrações. O garoto só se sentia bem quando refugiado na acolhedora escuridão das salas de cinema, ou quando entretido pelos quadrinhos de jornal, entre eles “Popeye” e “Turbinho”, sucessos da década de 30. Felizmente, não demorou muito para Sparky tentar seus próprios rabiscos e descobrir que da paixão nascia vocação. E foi dos lápis desta figura extremamente icônica que em 2 de outubro de 1950 nasceram os Peanuts (também conhecidos no Brasil como “Minduim”), uma série de tirinhas protagonizadas pelo bom e velho Charlie …

Snape: Sua perspectiva da história (vídeo)

Tudo é questão de perspectiva, e no mundo literário de J.K. Rowling não é diferente. Desde a Pedra Filosofal até as Relíquias da Morte, a série é um recorte sob o ponto de vista de Harry Potter. Mas por trás de tudo isso há algo muito maior, compreendido pelas histórias individuais de cada personagem. Afinal, existem muitos outros meninos que sobreviveram,a exemplo de Neville Longbottom. Um deles inclusive sacrificou seu próprio amor e reputação, e por isso merece toda e qualquer homenagem que nós, bruxos ou trouxas, possamos prestar. E aqui está a melhor delas até agora: Um compilado das cenas mais importantes de Snape, o professor de poções mal compreendido, em ordem cronológica! É ou não é de fazer qualquer potterhead pirar? A responsável por isso é Casey, uma fã norte-americana da série, escritora assídua de fanfics e viciada em Snape. O vídeo foi publicado em seu canal no youtube. Impossível não se emocionar.