Todos os posts com a tag: featured

O Céu e o Inferno dos Blogs Literários – SoSeLit #1

As ondas vem, as ondas vão. A prova morta-viva disso é a pochete. Meus pais tiveram uma. Passei a infância testemunhando a deterioração daquela bolsinha preta de couro onde meu pai guardava dinheiro e depois eu passei a guardar algumas moedas que encontrava atrás do sofá. Mas quem diria, elas voltaram com força para a moda do verão. A pochete preta de couro ganhou primas distantes, feitas de todos os formatos, cores e níveis brilho. Mas esse texto não é sobre elas. É sobre os blogs literários que, se fossem pochetes, estariam na fase de deterioração, aguardando pacientemente o seu novo tempo de glória. Houve uma época em que blogs eram a grande hype, e talvez alguns poucos ainda tenham sua parcela de público fiel. Mas a forma de consumir conteúdo mudou, em grande parte graças às redes sociais. A oferta do que ler e assistir é gigantesca, as timelines são um vórtice fragmentado de atenção, e os blogs… bem, os blogs não vão nada bem, obrigado. Especificamente no caso dos que falam sobre livros, …

“Me Chame Pelo Seu Nome” – Sutil e Poderoso

Na Itália dos Anos 80, um rapaz de 17 anos vê chegar o novo hóspede da família: um estudante americano que transforma o marasmo das férias de verão. Este é “Me Chame Pelo Seu Nome” (“Call Me By Your Name”, 2017, USA), mas sua sinopse não representa mais que a superfície. Aparentemente apenas mais uma obra sobre a descoberta do primeiro amor, o filme é, na verdade, um manifesto pelo direito de sentir a vida plenamente. Baseado no romance de estreia do egípcio André Aciman, o filme está sendo cotado como forte candidato para o Oscar 2018. E não é por acaso. Tudo nele — dos mais simples (porém poderosos) diálogos à fotografia que faz desejar o próximo voo para o sul da Itália — tudo conspira a favor de um filme que beira a perfeição. E por falar em diálogos poderosos, merece destaque a cena final entre pai e filho, que traz à tona o grande propósito da obra: quem tem medo de se entregar aos sentimentos uma hora acaba esquecendo-os de vez. “Me Chame …

“Feminista” não é ofensa, é elogio

O que eu queria dizer talvez não pudesse ser dito. Eu queria dizer — e no final das contas disse — que ela é feminista. Comecei a escrever uma resenha sobre o livro “Em Águas Sombrias”, da Paula Hawkins, e demorei muito mais que o aceitável para colocar em palavras o que eu queria dizer. Foram quase 10 minutos reescrevendo a mesma frase até que eu percebesse o que estava fazendo, então o que a princípio seria apenas uma resenha acabou virando o que você está lendo agora: um metatexto sobre a minha experiência de escrever uma resenha sobre esse livro. Tudo isso para te dizer que toda aquela hesitação de 10 minutos foi porque o que eu queria dizer talvez não pudesse ser dito. Eu queria dizer — e no final das contas disse — que ela é feminista.

Deuses NeoAmericanos

*Este texto pode conter spoilers. O livro “Deuses Americanos”, de Neil Gaiman, é um espetáculo. Lançado em 2001, ele é um exemplo de uma narrativa extremamente bem contada e envolvente que associa com precisão metafórica elementos da vida real e o sobrenatural e mágico. As melhores partes do livro, na minha opinião, são os capítulos de “Vindas à América”. Colocados em partes estratégicas do livro, aparentemente sem conexão alguma com a história corrente, eles revelam muito do universo fantástico criado por Gaiman. Clique aqui e assista ao vídeo especial sobre “Deuses Americanos na era Trump”!

Overdose de Alien: “Covenant” + “Rio de Sofrimento”

Uma semana e tanto para os amantes da maior criatura parasita de humanos que a gente respeita: a estreia do filme “Alien: Covenant” coincidiu, obviamente não por acaso, com o lançamento do livro “Alien – Rio de Sofrimento”. E nesse texto você confere um combo com a crítica de ambos, com direito a pipoca e guaraná — mas os dois últimos ficam por sua conta, combinado? Clique aqui e confira os livros de Alien em promoção! Alien – Rio de Sofrimento É  o terceiro e último livro da expansão oficial do universo. O primeiro foi “Alien – Surgido das Sombras”, escrito por Tim Lebbon, o segundo foi “Alien – Mar de Angústia”, de James Moore, e este último ficou por conta de Christopher Golden. Ao contrário dos dois primeiros livros, situados no planeta-colônia New Galveston, “Rio de Sofrimento” se passa em Aqueronte, o mesmo planeta onde Ellen Ripley e a equipe da Nostromo encontraram o xenomorfo original. Durante o processo de terraformação do planeta, uma das expedições descobre a espaçonave alienígena que, no passado, atraiu Ripley para lá. E é exatamente esse …

“O casal que mora ao lado” não convence

“As pessoas são capazes de qualquer coisa”, diz a capa do thriller policial da escritora canadense Shari Lapena. De fato, esta frase diz muito sobre o livro em questão. Publicado recentemente no Brasil pela Editora Record, “O casal que mora ao lado” parte do sequestro de uma bebê para abordar questões como a ganância e o egoísmo. Mas o que começa de forma promissora acaba se perdendo em meio a personagens mal justificados e situações forçadas. Uma pena. Compre o seu clicando aqui e ajude o Literasutra a crescer!

Filme: Guardiões da Galáxia Vol. 2

Quando a Marvel anunciou que lançaria um filme sobre a sua série “Guardiões da Galáxia” todos ficaram levemente incrédulos. Afinal, apesar de ser uma série amada pelos fãs não trata-se de um dos carros-chefes do estúdio como “X-Men”, “Homem-Aranha” ou “Vingadores”. Mas assim que o filme saiu surpreendeu todos os céticos revelando-se um verdadeiro hit do MCU. Ao contrário do primeiro filme, “Guardiões da Galáxia Vol. 2” já era aguardado com as expectativas altas e, honrando seu legado, não desaponta. Se o mote do primeiro era sobre a reunião dos personagens principais, o mote do segundo é sobre a união desses mesmos personagens sendo testada. “Ohana” quer dizer “família”, e “família” é a palavra-chave que está no coração da história desse filme. Só a escolha do título do filme já revela muito sobre seu conteúdo: o termo “volume 2” faz referência não só à fita que Starlord (Chris Pratt) recebeu de presente de sua mãe quando criança, símbolo de sua conexão com a Terra e suas questões com figuras parentais, mas também nos traz a …

Duas adaptações para Dois Irmãos: Entrevista com Milton Hatoum

Yaqub e Omar, gêmeos protagonistas de uma vida de rivalidades: eis o plot de “Dois Irmãos”. Vencedor de um prêmio Jabuti e pai de duas adaptações, o romance de Milton Hatoum foi lançado há 17 anos e hoje é considerado um clássico da literatura brasileira. Em entrevista exclusiva ao Literasutra, o autor comentou sobre a minissérie dirigida por Luiz Fernando Carvalho e exibida recentemente na TV Globo: “Para mim ela foi um filme de arte na tevê, um filme longuíssimo, esteticamente ousado, com uma forte dimensão dramática e histórica”. Esta não foi a primeira vez que o livro inspirou outras obras. Em 2015, assinado por Fabio Moon e Gabriel Bá, “Dois Irmãos” gerou uma HQ ganhadora de 2 prêmios na categoria  de “melhor adaptação de outros meios”; mesmo assim, Hatoum corrige: “O mais correto seria chamar estas adaptações de ‘reinvenções em outras linguagens’. Eles desenvolveram um estilo, uma forma de narrar muito pessoal. Buscaram isso em obras muito sofisticadas. Por exemplo, o livro em quadrinhos Daytripper (de Fabio Moon e Gabriel Bá) e o filme Lavoura Arcaica (de Luiz Fernando Carvalho) são exemplos notáveis”. “O mais …

A evolução de um pseudônimo – Entrevista com Lemony Snicket (e Daniel Handler)

Algumas pessoas nascem de um encontro amoroso — às vezes nem tão amoroso assim. Outras nascem de um susto, como, por exemplo, quando não podemos revelar a própria identidade e então um outro ser nos cresce na testa como que por brotamento e passa a nos seguir assim como a sombra faz com Peter Pan. Lemony Snicket, infelizmente, nasceu da segunda forma. Após toda uma vida subindo e descendo as ladeiras de San Francisco, Califórnia, Daniel Handler precisou esconder seu nome verdadeiro de um espécime da vida adulta: “E foi como uma desculpa, ou quem sabe uma anedota. Lemond Snicket simplesmente escapuliu pela minha boca”, ele conta. “Eu gostaria de pedir desculpas a vocês por todo o trauma emocional que a série possivelmente vai causar”. (SNICKET, Lemony) Se você, assim como eu, é uma daquelas pessoas comuns que participam de fóruns de artistas pelo simples prazer de se imaginar pintando uma tela, escrevendo um romance ou pulando sobre sua plateia após um show de rock, você já deve saber que uma das manias mais românticas (e irritantes) dos artistas é dizer que suas criações têm …

Para a Flávia

Li “Cravos” de uma vez. Abri o livro, não li nada a respeito, nem a orelha, fui direto pro texto. Fui capturada, mas sem arroubo. Foi algo como o espontâneo e suave rodopio de Cyd Charisse que inicia o pas-de-deux com Fred Astaire, em The Bang Wagon. O texto é verdadeiramente uma dança, mesmo quando não faz referência a bailarinos e coreógrafos, aos nomes técnicos de passos, ao linóleo (referências estas que, pra mim, têm um sabor especial). Ler “Cravos” é como ver um palco cujo holofote acende e apaga em recantos alternados, ora com um solo, ora com uma composição de dois ou mais corpos.